Sábado, 29 de Janeiro de 2022 03:29
(68) 99971-5137
Cultura Conto

O PORCO DO NATAL

Era antevéspera de Natal e a saborosa carne de porco seria servida como prato principal da grande noite!

05/01/2022 19h07
Por: Redação Fonte: Acreaovivo.com
Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Por Edir Figueira Marques

Moravam numa pequena chácara, cuja terra tudo dava. Na horta, não faltavam o cheiro verde, o coentro e a salsa, a couve, a alface, o pepino, o tomate e a pimenta de cheiro. A chicória e o jambu nasciam como mato, nem era preciso plantar. Na época do verão, semeavam também a melancia e o jerimum que se esparramavam pelo chão.

No pomar, cresciam goiabeiras, ingazeira, mangueira, latada de maracujá, bananeiras, tanto a prata quanto a banana comprida, que ocupava sempre lugar de destaque no lanche da tarde, fosse frita, cozida ou feita mingau; e o cubiu, fruto amazônico de grande valor, com que faziam delicioso doce.

Além disso, criavam galinhas, porcos, tinham uma vaquinha para o leite das crianças e um “curral” onde engordavam alguns jabutis, excêntrica carne do mato, no tempo em que não era proibido, pois os havia em abundância.

Era antevéspera de Natal e a saborosa carne de porco seria servida como prato principal da grande noite! Para tanto, Dona Bezita havia cevado o suíno durante todo o ano. Além disso, sua banha seria derretida e utilizada por um bom tempo no preparo das refeições.

No início da adolescência, em seus doze anos de idade, irmão do meio, de seis outros garotos - afora as meninas - metido a sabido, Mauro se achou à altura dos manos mais velhos a quem sua mãe determinava a tarefa “própria de homem” de abater os porcos de sua criação. Queria surpreender a todos, principalmente a sua mãe. Provar que já era rapaz! Não esperou por Nilton, que tinha sete anos a mais que ele, e se meteu, sozinho, a exercer a difícil função de magarefe, para a qual, além de habilidade e prática, exigia uma certa força.

Derrubou o porco, amarrou-lhe as pernas e foi buscar o machado para dar-lhe uma bordoada na testa, com a costa da ferramenta, como via, por vezes, seu irmão executar.

Deixa estar, que o colega vizinho, querendo pregar-lhe uma peça, desamarrou o animal, em sua ausência, e ficou segurando-o.

O machado era pesado e exigia destreza para o golpe certeiro. É claro que o menino não acertou a pontaria e o porco levantou-se, saindo em disparada pela rua à fora. Nisso, seus irmãos Nilton e João iam chegando e saíram em correria atrás do animal que grunhia, assustado. A meninada foi se avolumando e quanto mais gritava “pega o porco”, “derruba o porco”, mais o danado fugia e, ao longo do trajeto, a turma de garotos aumentava para ajudar na perseguição.

Era hora da volta do trabalho para a casa. A avenida larga e comprida estava bem movimentada. O cevado ia derrubando quem lhe aparecesse pela frente. As mulheres corriam à janela para ver o que estava acontecendo, com tanta gritaria. Imaginavam que fosse porco do mato e, por sua vez, gritavam para que seus filhos entrassem em casa!

- Passem pra dentro! Este animal é “brabo” e perigoso! Cuidem!

Já tinham percorrido mais de quinhentos metros e o povo se aglomerando e a criançada correndo, numa verdadeira euforia, com a grande aventura. Até que o porco entrou na igreja, criando o maior alvoroço! A garotada invadiu a casa de Deus, em gritaria! Era a hora do Ângelus e o padre rezava o terço, acompanhado pelas senhoras e filhas de Maria. O porco passava espremido por baixo dos bancos. Algumas beatas desfaleciam, com tamanho susto!

O pobre animal, exausto, acabou por ficar acuado e não teve mais como fugir.

A salvação foi a chegada do Seu Raimundo Magarefe que vendia carne no Mercado Municipal. Resolveu pegar o animal que resfolegava, quase morto e o levou, dizendo que ficaria com o suíno, para recuperá-lo da adrenalina que envenenava sua carne, depois de tanto “sufoco”.

Foi assim que o porco se livrou de ser o prato principal da ceia natalina!

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Edir Figueira Marques
Sobre Edir Figueira Marques
Professora, mestre em pedagogia, escritora e poetisa.
Rio Branco - AC
Atualizado às 05h09 - Fonte: Climatempo
24°
Nevoa úmida

Mín. 23° Máx. 31°

24° Sensação
4 km/h Vento
100% Umidade do ar
90% (25mm) Chance de chuva
Amanhã (30/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 30°

Sol com muitas nuvens e chuva
Segunda (31/01)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 22° Máx. 31°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.