Segunda, 24 de Janeiro de 2022 15:33
(68) 99971-5137
Anibal Diniz; Amazôn

A força do pequeno negócio! – Por Aníbal Diniz

A parceria entre o Governo do Estado e o Sebrae permite que as pessoas contempladas com os microfinanciamentos tenham acesso a cursos diversos sobre como fazer seu empreendimento ter prosperidade.

14/09/2015 09h00
Por: Redação Fonte: Acreaovivo.com
A força do pequeno negócio! – Por Aníbal Diniz

Quando Tião Viana assumiu o governo ficou clara sua disposição de investir forte no empreendedorismo como forma de gerar emprego e renda e ao mesmo tempo abrir a tão sonhada janela de oportunidade capaz de tirar famílias beneficiárias dos programas sociais da eterna dependência do Governo.  À época, como senador, participei de muitos eventos de entrega de microcréditos e tive a alegria de visitar inúmeras experiências bem sucedidas de pequenos negócios que iam de salões de beleza, carrinhos de lanche, padarias comunitárias até kit de equipamentos para a realização de serviços autônomos.

A parceria entre o Governo do Estado e o Sebrae, que é o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa, permite que as pessoas contempladas com os microfinanciamentos tenham acesso a cursos diversos sobre como fazer seu empreendimento ter prosperidade. A aposta é correta e o resultado final é surpreendente. Não só no Acre, mas em todo o Brasil. Alguns números disponibilizados pelo próprio Sebrae são impactantes. Por exemplo: enquanto grandes empresas neste ano de 2015 já demitiram 600 mil pessoas, as micro e pequenas empresas, apesar da crise e da recessão econômica, já geraram, só em 2015, mais de 100 mil novos postos de trabalho com carteira assinada.

A contribuição dos pequenos negócios para a economia nacional é fantástica. Tanto na geração de empregos quanto no recolhimento de impostos. Às vezes a gente se engana pensando que as pequenas empresas, por terem incentivos especiais, contribuem pouco com a arrecadação dos estados e do país, mas a realidade é bem outra. Por se multiplicarem às milhares, essas micro e pequenas empresas acabam tendo contribuição significativa para a formação da receita federal. Entre 2007 e 2014, a arrecadação do Simples Nacional teve crescimento constante, chegando próximo a 62 bilhões de reais em 2014, sendo R$ 9,5 bilhões para os estados, R$ 5,1 bilhões para os municípios e 47,4 bilhões para a União.

Quando o professor Coimbatore Krishnarao Prahalad escreveu sobre a riqueza na base da pirâmide, cujo livro com o título “A Riqeuza na Base da pirâmide – Erradicando a pobreza com o lucro” foi lançado no Brasil em 2005, ele mostrou que 75% da população mundial, à época em torno de 4 bilhões de pessoas, viviam com menos de 1.500 dólares por ano, e desafiou as grandes marcas do mundo a olharem para esse público como potenciais clientes. Em seu livro, ele cita o exemplo das Casas Bahia, no Brasil, que mais que dobrou seu faturamento quando desenvolveu estratégia específica para atrair o pequeno comprador, se instando, por exemplo, em Paraisópolis, uma das maiores favelas de São Paulo, e alongando o crédito para ganhar novos clientes.

A estratégia proposta por Prahalad é muito interessante, na medida em que sugere que as pessoas que vivem na base da pirâmide social têm o direito de usufruir de produtos de marca, desde que as indústrias possam adaptar a produção em série ao poder de compra e às condições de pagamento desse contingente enorme de consumidores, diminuindo o lucro unitário, mas multiplicando milhares de vezes o ganho em escala.

Ciente da importância do pequeno negócio para o Brasil, para os estados e para os municípios, o Sebrae nacional lançou a campanha de sensibilização das pessoas a comprarem dos pequenos negócios, fazendo do 5 de outubro a data símbolo da compra do pequeno. A campanha tem como slogan “esse negócio também é seu” e a hasteg #compredopequeno. É uma excelente maneira de fazer o dinheiro circular na economia local e até fortalecer os laços afetivos da comunidade.

O governo Tião Viana, como todo governo, tem lá seus pontos frágeis. Mas não há como negar o mérito de sua ousadia em investir no pequeno negócio enquanto estratégia para elevar a condição de vida de milhares de famílias que reconquistaram a autoestima e passaram a sobreviver do próprio empreendimento. Isso contribui para o fortalecimento da cidadania!

---

* Aníbal Diniz, 52, jornalista, graduado em História pela UFAC, foi diretor de jornalismo da TV Gazeta (1990 – 1992) assessor da Prefeitura de Rio Branco na gestão Jorge Viana (1993 – 1996), assessor e secretário de comunicação do Governo do Acre nas administrações Jorge Viana e Binho Marques (1999 – 2010) e senador pelo PT- Acre (Dez/2010 – Jan/2015), atual assessor da Liderança do Governo no Congresso Nacional.

Saiba mais:

Identidade e Florestania – Por Aníbal Diniz

Força, Estrelão! – Por Aníbal Diniz

Um presente e tanto! - Por Aníbal Diniz

É o preço da democracia! – Por Aníbal Diniz

Sempre é tempo de bom senso! – Por Aníbal Diniz

Para Wilson Pinheiro! - Por Aníbal Diniz

Mudança ou perfumaria? - Por Aníbal Diniz

Sinal de alerta! - Por Aníbal Diniz

O PNE e o Acre – Por Aníbal Diniz

Um amigo dos índios na Funai! – Por Aníbal Diniz

Viva a autonomia! – Por Aníbal Diniz

Acabar com a reeleição, por quê? – Por Aníbal Diniz

E por falar em ferrovia... – Por Aníbal Diniz

O Acre que Lula ajudou! – Por Aníbal Diniz

Um bom anjo da guarda! – Por Aníbal Diniz

Faltou pouco! – Por Aníbal Diniz

Banda Larga para todos - O Futuro!!! – Por Aníbal Diniz

Democraticamente falando... – Por Aníbal Diniz

Semear e colher bons frutos! – Por Aníbal Diniz

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.