Sexta, 25 de Junho de 2021 05:08
(68) 99971-5137
Justiça Operação Ghidorah

MPAC obtém condenação de integrantes de facções criminosas a penas que somam mais de 128 anos

Conforme a denúncia apresentada pelo Gaeco/MPAC, os réus, presos durante a Operação Ghidorah em junho do ano passado, cometeram o crime de integrar organização criminosa

18/05/2021 08h34
Por: Denis Henrique Fonte: Acreaovivo.com | MPAC
MPAC obtém condenação de integrantes de facções criminosas a penas que somam mais de 128 anos

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), obteve nesta segunda-feira (17), perante o Juízo da Vara de Delitos de Organizações Criminosas da Comarca de Rio Branco, a condenação de 13 integrantes de facções criminosas que atuam no Estado a penas que somam mais de 128 anos de reclusão.

Conforme a denúncia apresentada pelo Gaeco/MPAC, os réus, presos durante a Operação Ghidorah em junho do ano passado, cometeram o crime de integrar organização criminosa, com agravamento da pena por uso de arma de fogo, envolvimento de adolescente e manter conexão com outra organização.

Além disso, dois dos acusados ainda tiveram como aumento da pena o fato de serem lideranças da organização. As penas, que variam entre 6 a 14 anos de prisão, foram estipuladas conforme o envolvimento dos réus e também se confessaram a participação nos crimes, assim como, foram ponderados os antecedentes e a reincidência.

A denúncia foi recebida em julho de 2020 e as audiências de instrução e julgamento foram realizadas por videoconferência.

Relembre o caso

Os réus foram presos durante a Operação Ghidorah, realizada pelo Gaeco e a Polícia Militar, em junho do ano passado, nas cidades de Rio Branco, Senador Guiomard, Feijó, Tarauacá e Rodrigues Alves. A operação desarticulou os núcleos de três facções criminosas que atuavam no estado.

A operação foi resultado de cinco meses de investigação, iniciada após a apreensão de documentos em Guarulhos (SP), que revelavam o envio de ajuda financeira por uma das organizações criminosas para líderes locais do PCC, Ifara e Bonde dos 13.

Durante as operações que culminaram com as prisões dos réus, foram apreendidos equipamentos eletrônicos onde foram encontrados dados sobre membros das facções, vídeos dos integrantes e mensagens sobre as movimentações dos grupos.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.