Domingo, 09 de Maio de 2021 11:12
(68) 99971-5137
Geral Despedida

Lazinho, o cara de sorriso largo e alma imensa

Desconfio que esse baita ser humano era também um “Baryshnikov"

29/04/2021 23h27 Atualizada há 1 semana
216
Por: Socorro Camelo Fonte: Acreaovivo.com
Lazinho, sempre sorridente. Foto: arquivo pessoal.
Lazinho, sempre sorridente. Foto: arquivo pessoal.

Por Socorro Camelo

O cara de sorriso largo e alma doce, se despediu hoje dessa vida.
Lazinho se foi.

Tão rápido e inesperado que é difícil acreditar.

Deixa como legado a receita de uma boa vida: pitadas de transgressão, presença, amor, abraços reconfortantes e sempre apertados e sua inesquecível risada, para colorir nossos espaços em branco.

Viveu intensamente.

Em dias de sol ou chuva, em abraços, em encontros ou despedidas, em dias curtos ou longos, no prazer das coisas mais simples, nos papos leves e no amor pelos seus.

Sabia que a vida é inteira. É presente.

Foi um enorme privilegio ter conhecido esse cara tão imenso.

A gente sempre quer mais tempo. E eu queria ter tido mais tempo para dizer tudo isso a ele, mais tempo para aprender a sua incrível proeza de ser amoroso com todos que o cercavam.

Por aqui, tem sido cada vez mais difícil encontrar uma coisa que Lazinho tinha de sobra, uma coisa simples, rara, poderosa e revolucionária chamada generosidade.

À família, ao irmão que ele tanto amava, Aníbal e as queridas Eloina, Mariquinha, Leila, Sônia e Luiza e os irmãos Elcio e  Carlos, os filhos, os sobrinhos (a minha amada filha Janaína, que perdeu o tio mais legal do mundo), toda a minha solidariedade.

Que Deus dê forças e conforto a vocês.

Tem coisas que a gente nunca vai entender.

Um instante e o sonho acaba, faz gente boa, de talento grande ir antes do tempo que a gente acha que deveria ficar. 

E diante do que podemos perder num dia, num instante, só penso que o melhor a fazer é tentar prestar atenção no outro, olhar para o lado, com amor, delicadeza. Ser gentil, amar até dizer chega e dizer isso, agora, porque a vida é hoje.

Se concentrar no outro com a atenção e a grandeza de uma bailarina, que ensaia sem parar para que a dança pareça leve para quem assiste.

Desconfio que o Lazinho era um desses “Baryshnikov” imenso.

Vai fazer muita falta nesse mundo.

Para sempre, o meu respeito e admiração.

Você foi um baita ser humano.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.