Segunda, 01 de Março de 2021 19:43
(68) 99971-5137
Política EDITORIAL

Cadê o prefeito?

É a segunda viagem, em duas semanas, mostra que o prefeito não tem nenhuma empatia pelo povo que o elegeu, pela cidade que administra.

22/02/2021 08h59 Atualizada há 1 semana
171
Por: Redação Fonte: Acreaovivo.com
Cadê o prefeito?

Rio Branco enfrenta a pior enchente do século. São milhares de pessoas afetadas, quase mil famílias desalojadas, os igarapés transbordando, a infraestrutura urbana em caos, mais de dois mil casos de dengue, quatro mortes por dengue hemorrágica na capital, a vacinação contra a COVID parada, enquanto a pandemia explode.

Com todo esse quadro trágico, a grande pergunta é: onde anda o prefeito da capital? Onde está Bocalom?

A notícia vinda de sua própria assessoria é de que ele vai a Brasília debater uma futura sondagem para utilização do aquífero do segundo distrito, junto ao terceiro escalão do governo federal, em mais uma semana de viagem.

É a segunda viagem a Brasília em duas semanas.

Isso é de uma insensibilidade assustadora. Mostra que o prefeito não tem nenhuma empatia pelo povo que o elegeu, pela cidade que administra.

A primeira missão de um governante, se não pode enfrentar os problemas que poderia ter evitado, se agisse preventivamente é, pelo menos, mostrar solidariedade e liderança para mobilizar a sociedade, para manter o ânimo, para coordenar a ajuda.

O Brasil inteiro se mobiliza para ajudar o Acre. O próprio presidente da República virá ao estado e não vai encontrar o prefeito da capital, que está flanando em Brasília com uma agenda que não é urgente.

O quesito viagens parece que será uma partícula frequente no feixe das distorções dessa gestão.

Bocalom simplesmente não consegue enxergar os problemas da cidade que deve administrar. Sonha com verbas prometidas e não concretizadas, em vez de usar a estrutura da prefeitura para apoiar a população.

Omitiu-se quando o Igarapé São Francisco invadiu casas e ruas e só apareceu para criticar quem joga lixo no rio.

Ou para dizer que agora sim, os desabrigados da enchente estavam sendo “tratados com respeito” porque tem lonas coloridas e uma divisão de lona que ele chama de conforto.

Omitiu-se da vergonha que está sendo a vacinação da COVID, plena de denúncias de fura-filas, que seu secretário de Saúde que nada conhece do setor, disse que não é problema da prefeitura.

Deixou de pagar os trabalhadores da limpeza urbana, para forçar a mudança da empresa responsável.

Anunciou soluções mágicas para os ônibus, sem evitar a paralisação e acenando para o fim da passagem estudantil.

A verdade é que Rio Branco, além da enchente, da COVID, da dengue, da ameaça de fechamento das estradas, ainda tem problemas bem maiores: a insensatez, a falta de noção, o abandono das funções de seu omisso e ausente prefeito.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.