Segunda, 25 de Outubro de 2021 02:04
(68) 99971-5137
Geral OPINIÃO

Quem sabe, sabe

Você pode até pensar que cachaça é água, que água lava tudo e, portanto, as águas vão rolar. É da rima, mas quem sabe, sabe.

15/02/2021 20h40 Atualizada há 8 meses
Por: Redação Fonte: Acreaovivo.com
Imagem reprodução internet.
Imagem reprodução internet.

Por Jairo Lima

Alegoria de carnaval com pandemia não dá liga, não facilita o enredo. A bateria atravessa, o samba não evolui e descolore a passarela. Sim, porque a pandemia enseja afastamento, distanciamento social. O carnaval, ao contrário, é ajuntamento. Carnaval é movimento de partilha e comunhão de alegria, de folia e transe coletiva. Carnaval é não estar só.

Então como viver o domingo de carnaval igual a andorinha atravessando o deserto do Saara? Não há brincantes sassaricando pelas ruas, nem mil palhaços no salão. E se fosse sincera, a colombina Aurora faria “home micareta”. Assim evitaria a turma do funil, o empréstimo evitável e ainda guardava um dinheiro aí. Além disso, todos sabem que a galera do Zé Pereira não usa máscara negra e pode facilitar a transmissão do vírus.

Carnaval com pandemia não tem abre alas nem mamãe eu quero. O melhor neste momento é ficar em casa. Você pode até pensar que cachaça é água, que água lava tudo e, portanto, as águas vão rolar. É da rima, mas quem sabe, sabe. O cordão do bola preta ficará na porta da Colombo, e não sairá. A mulata bossa nova também ficará em casa e não haverá linda morena no bloco do sujo. E não adianta dizer: eu fiz tudo pra você gostar de mim ou é com esse que eu vou. Ela sabe que o risco não compensa e que há muito pierrô apaixonado por aí. Está chegando a hora da vacina, sim. Mas a vacinação está em cadência de valsa e é melhor prevenir, resistir um pouco mais e garantir a vida de todos. Se é para ficar todo mundo de ressaca, que seja ressaca de beijos e de abraços.

O domingo e o carnaval vão passando lentamente em ritmo de preguiça. Na ponta leste do horizonte a madrugada apresenta a sua comissão de frente. Do outro lado, a lua dos namorados não vai para Maracangalha e permanece inteira no céu. Abro a janela na triste madrugada e vejo a jardineira apressada para buscar o pão. Percebo então a visita daquela velha saudade insistente de tantos carnavais passados. Impossível desfazer o aperto no compasso do coração e cheio de sentimentos conflitantes, tomara que chova três dias sem parar.

De súbito, a luz difusa da madrugada de segunda-feira reflete a imagem emoldurada sob a bandeira branca. É a minha Maria bonita que, por certo, ainda dorme. Fizemos tantos planos, partilhamos tantos sonhos. Este ano seria o nosso carnaval. Mas aí veio a pandemia e mudou tudo. Precisamos reajustar o passo e entrar no compasso, afinal ainda é carnaval. Por fim, ficamos assim: ela de lá e eu de cá até quarta-feira, porque hoje, meu bem, nós vamos brincar separados.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Jairo Lima
Sobre Jairo Lima
Xapuriense. Engenheiro Civil, professor doutor da Unesp.
Rio Branco - AC
Atualizado às 03h44 - Fonte: Climatempo
20°
Trovoada

Mín. 22° Máx. 27°

20° Sensação
15 km/h Vento
94% Umidade do ar
90% (40mm) Chance de chuva
Amanhã (26/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 28°

Sol com muitas nuvens e chuva
Quarta (27/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 32°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.