Quarta, 08 de Dezembro de 2021 01:17
(68) 99971-5137
Geral Acre

Muito prazer, eu sou Clarice!

Deu ao mundo um verdadeiro tratado humano em sua enigmática loucura literária, por assim dizer

28/12/2020 09h40 Atualizada há 10 meses
Por: Denis Henrique Fonte: Acreaovivo.com
Muito prazer, eu sou Clarice!

Por Bethe Oliveira

Clarice é brasileira do Recife, foi assim que ela mesma se denominou; no entanto, mesmo se declarando uma mulher simples e normal, sabe-se pela sua literatura que é uma estrangeira na terra, inteiramente refugiada. Se em vida estivesse completaria cem anos de existência, faleceu a poucos instantes de completar 57 anos de idade, em 09 de dezembro de 1977. Aliás, o instante, essa inevitável tragédia da vida que é a morte, é o constante mistério na sua magnifica coleção.

Deu ao mundo um verdadeiro tratado humano em sua enigmática loucura literária, por assim dizer. Sua primeira obra, o romance “Perto do Coração Selvagem”, deu vida a Joana, uma menina esquisita que se ultrapassava mesmo sem o delírio e tenho a impressão de que a alma dessa menina possui existência real em todas as personagens femininas da autora como um apelo à salvação. Clarice é visceral, instintiva, racional e ao mesmo tempo divina. Quando a leio tenho a sensação de que me aproximo de mim de um jeito belo sem ser bonita, porque não é a mim naturalmente que vejo no espelho, mas algo que está além, sem antes nem depois. Quando eu leio Clarice me aproximo de Deus.

Do nada e do silêncio em que “o nada” existe, um dia desses Clarice me pregou uma peça. Em contato com os povos indígenas dei a me perguntar violentamente quem era o invasor e me senti pobremente envergonhada, uma vergonha inocente, no entanto cheia de culpa, um sofrimento sem dor. Nasci na floresta amazônica, onde a natureza é a mais exuberante e rica em biodiversidade do planeta e o que eu sei sobre ela? Os indígenas sabem. Sabem que no núcleo da mata habitam outros seres inimagináveis e através de seus mitos e ritos nos apresentam uma versão sobre Deus e a serpente. Quem não conhece a magia da natureza?  Somos seres desconhecidos num lugar estranho, tal como Clarice e o que nos importa (de verdade) não é o mistério insondável da matéria, o “eu” invisível do espaço-tempo?

É certo que dentro dos livros dela tem tantas mentiras. A mentira empobrece a imaginação? A mentira esconde em si a verdade, “mente-se e cai-se na verdade”, eis a verdade metafórica contida em todas as coisas. Toda verdade é uma parte da grande mentira do mundo, no entanto desvendá-la é para raros e loucos e a vida é tão curta. Ler Clarice é tão íntimo e o que escrevo agora também é um dos jeitos que criei para estudá-la, pois dela mesmo não se sabe nada.

Em seu último romance publicado, “Um sopro de vida”, já póstumo, Clarice deu vida a Ângela Pralini. O livro inicia dizendo “quero escrever movimento puro” e segue: “Isto não é um lamento, é um grito de ave de rapina. Irisada e intranquila. O beijo no rosto morto”. Quando imagino Clarice - sentada na poltrona de seu apartamento carioca à meia noite, com a máquina de escrever sobre as pernas - escrevendo e fumando, mergulhada no vazio da sua criação (“é preciso não ter medo de criar”), vejo-a exatamente como um animal selvagem devorando uma presa e ao mesmo tempo sofisticadamente vestida em trapos. Mas, não. Clarice é uma artista pura.

Há um ser oculto chamado inspiração que caoticamente se move entre o autor e a sua obra. Criar é um processo solitário e penso numa Clarice solitária sem ser infeliz, apenas plena. Nela, inspiração não é loucura é Deus e por isso toda a sua obra é rica em sutilizas, porém vermelha e cortante, sangra, é como beber o vinho do cálice do Senhor. Embora sem limites, na metafísica da autora, fica límpido que ninguém conhece a totalidade da criação. O homem não é a sua totalidade, como ousa dizer que se conhece? Clarice é um espiral de conhecer e reconhecer o desconhecido e não ela mesma, é um surpreender-se como uma menina, afinal. Parece que toda mulher será sempre menina; é que no céu não tem adulto, não é mesmo Clarice?

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Antonia Tavares
Sobre Antonia Tavares
Economista. Especialista sênior em planejamento estratégico e gestão pública. Escritora de Loucas e bruxas, bruxas e loucas: contos e poeminhas
Rio Branco - AC
Atualizado às 03h00 - Fonte: Climatempo
24°
Nuvens esparsas

Mín. 23° Máx. 31°

24° Sensação
4 km/h Vento
100% Umidade do ar
90% (20mm) Chance de chuva
Amanhã (09/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 31°

Sol com muitas nuvens e chuva
Sexta (10/12)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 23° Máx. 30°

Sol, pancadas de chuva e trovoadas.