Sexta, 21 de Junho de 2024
28°

Tempo limpo

Rio Branco, AC

Geral Na sexta-feira, 24

Pesquisadores lançam livro que retrata a presença da Capoeira no Acre

Ao longo das 235 páginas, a obra mostra sua base na historiografia, na etnografia e no mapeamento da capoeira. Nela a história da capoeira no Acre é contada, também, a partir de uma síntese da biografia dos detentores do final do século 20, como forma de fazer homenagem a eles

22/05/2024 às 14h10
Por: Denis Henrique Fonte: Acreaovivo.com | Assessoria
Compartilhe:
Pesquisadores lançam livro que retrata a presença da Capoeira no Acre

O livro “A Ginga na Terra do Aquiry: dimensões históricas, etnográficas e mapeamento da capoeira no Acre” terá novo lançamento na sexta-feira, 24 de maio. Desta vez, a programação se inicia na Filmoteca Acreana, às 18h, com encerramento previsto na Biblioteca Pública Estadual, ambas localizadas no mesmo prédio.

O evento é fruto de projeto proposto por Cledir Amaral, professor doutor do Instituto Federal do Acre (Ifac), via edital 14/2023 de “Arte e Patrimônio Cultural – Demais Áreas”, da Prefeitura Municipal de Rio Branco/Fundação Garibaldi Brasil, financiado pelo Governo Federal/Ministério da Cultura, com recursos da Lei Paulo Gustavo (Lei Complementar N° 195/2022).

Até a versão impressa da obra, os autores mergulharam em um rigoroso processo de pesquisa por dois anos (2020 a 2022). A equipe de pesquisadores, liderada por Cledir Amaral, conhecido na capoeira como Contramestre Riquinho, partiu das demandas manifestadas pela comunidade capoeirista local e registradas no Plano de Salvaguarda da Capoeira do Acre com elaboração iniciada em 2017 e publicação em 2019, pela Superintendência no Acre do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan/AC).

Com a indicação do Comitê Gestor da Salvaguarda, Iphan e Ifac estabeleceram parceria para a realização da pesquisa por meio do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiro e Indígena (Neabi-Ifac), do Campus Rio Branco. Em 2020, pesquisadores, Comitê Gestor da Salvaguarda e Iphan formalizaram os termos que resultaram no livro que foi aprovado por conselho editorial e publicado pela editora do Instituto Federal do Acre, a Edifac.

Por dentro da obra

O livro possui cinco capítulos assinados pelos pesquisadores Cledir de Araújo Amaral, Ádamo Gabriel Lopes de Souza, Alcilene Alves Oliveira, Maria Cristina Lobregat, Ane Kelly Severino Salvino, Edilene da Silva Ferreira e Valdineia Rodrigues Tomaz. Ao longo das 235 páginas, a obra mostra sua base na historiografia, na etnografia e no mapeamento da capoeira. Nela a história da capoeira no Acre é contada, também, a partir de uma síntese da biografia dos detentores do final do século 20, como forma de fazer homenagem a eles.

A pesquisa traz o levantamento de publicações de jornais disponíveis na hemeroteca digital (acervo de jornais digitalizados disponíveis na internet), que aponta os vestígios da capoeira no Acre no início do século 20, e dos acervos físicos dos jornais A Gazeta e O Rio Branco, impressos na década de 1970 até meados da década de 2000 e ainda, produções acadêmicas locais. As ilustrações do livro foram feitas com imagens de acervos pessoais dos entrevistados cujos registros são do fim do século 20.

Na etapa de realização de entrevistas, foram ouvidos alguns dos expoentes capoeiristas dos anos de 1980 e 1990. Esse processo resultou em mais de 80 horas de gravações e permitiram o delineamento historiográfico da obra.

Ao visitarem núcleos (fase identificada como experiência etnográfica) nos municípios acreanos, Rio Branco e Senador Guiomard, a pesquisa revelou diferentes ressignificações que a arte-luta capoeira passou para resistir ao longo da história. A partir daí, os pesquisadores discutiram o risco de a capoeira ser moldada às exigências dos “jogos de poder” sociais que exigem mudanças na identidade dessa cultura afro-brasileira.

O mapeamento permitiu identificar os mestres e demais detentores, grupos, núcleos (academias) e ainda, praticantes de capoeira nos 22 municípios acreanos, com discussão da importância da valorização do ofício do mestre de capoeira e os aspectos da formação de novos detentores e a interiorização da capoeira no estado.

Missão literária

A obra se configura como um recurso material de preservação da memória, valorização e identificação de formas de sustentabilidade da capoeira como um bem cultural. O lançamento traz como uma das missões, a de transformar a publicação impressa em acervo de bibliotecas dos municípios participantes da pesquisa, tanto que os esforços para o evento estão empenhados, inclusive, em cativar a presença de representantes municipais.

O livro “A Ginga na Terra do Aquiry: dimensões históricas, etnográficas e mapeamento da capoeira no Acre” foi publicado na versão e-book em abril de 2023 (disponível no repositório de produções acadêmicas do site do Ifac) e em novembro do mesmo ano, uma pequena tiragem permitiu o lançamento dos primeiros exemplares impressos, durante o VIII Congresso de Ciência e Tecnologia do Ifac (ConC&T), sediado pelo Campus Rio Branco.

Serviço:

Lançamento do livro “A Ginga na Terra do Aquiry: dimensões históricas, etnográficas e mapeamento da capoeira no Acre”

Data: 24/11/2024

Horário: 18h

Local: Filmoteca Acreana e Biblioteca Pública Estadual

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários